sexta-feira, 3 de julho de 2015

Dicas para não sair replicando "notícias" falsas


Nas últimas semanas me deparei com algumas "notícias" esdrúxulas que causavam perplexidade imediata, fatos revoltantes até, no facebook. Porém, uma leitura mais atenta fazia crer que "notícia" não era verdadeira. Era fruto de uma "brincadeira" de gosto duvidoso. Uma pesquisa rápida no site especializado "e-farsas" (link aqui) era suficiente para esclarecer a dúvida e classificar a dita "notícia" como fantasiosa. Existem pessoas e sites especializados nesse tipo de coisa (exemplo aqui: "Governo dará pensão aos loucos que conversam com cachorros", "Espécie que eletrocuta pessoas é descoberta no Acre", "Mulher beija enxame de abelhas para engrossar os lábios", etc).

Então, se você não quer ficar espalhando boatos, falsas notícias ou pesquisas (tendenciosas) pela metade, tem que controlar um pouco mais a ponta dos dedos e ativar o senso crítico no nível "médio" ou "médio-alto". Além de ler com mais atenção. Ninguém está livre de cair nesse tipo de armadilha, mas é melhor não compartilhar aquilo que não se tem certeza. Se mesmo depois de pesquisa na própria internet você ainda não estiver convencido da veracidade da informação, é melhor não repassar para seus conhecidos.

Mesmo quando a informação ou imagem é veiculada por meio de um site "oficial" de notícias, às vezes, podem ocorrer distorções, maquiagens ou montagens. Um exemplo recente:

Vítima de terremoto que ocorreu na Turquia é "transformado" em um pensionista grego - fonte aqui.
Além disso, para quê fazer "propaganda" de alguém ou de alguma ideia ou ideologia que você não gosta ou não concorda?! Quase sempre isso só vai servir para alimentar ainda mais aquilo que você discorda. Em resumo:
  • use o senso crítico e leia atentamente antes de replicar uma notícia;
  • você concorda e quer mesmo divulgar essa notícia ou personagem? então compartilhe;
  • você verificou que a dita notícia é verdadeira, pesquisou em mais de uma fonte? se a resposta for sim, pode compartilhar (com algum medo).

2 comentários:

  1. Obrigado Lana Beatriz. Às vezes temos que nos lembrar do "óbvio" para não espalhar bobagens na internet.

    ResponderExcluir