quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Como sobreviver ao Carnaval: algumas dicas práticas.


Não tem jeito, todo ano é a mesma rotina: festa de fim de ano, ressaca, janeiro meio preguiçoso (ou aulas atrasadas da faculdade por causa de alguma greve), vem o mês de fevereiro que tem a virtude de ser mais curto - isso por conta de alguns imperadores romanos com egos super inflamados - e, inevitavelmente, o carnaval!
Diferentemente do que a televisão quer nos fazer acreditar, muitos aproveitam essa data festiva para "fugir" e passar alguns dias tranquilos em alguma cidade pequena longe da agitação, outros para algum retiro espiritual e alguns outros tentam, simplesmente, colocar o sono em dia e se levantar na quarta-feira de cinzas um pouco mais vivo que antes. E ainda, alguns pouquíssimos seguem as recomendações de algum professor carrasco e colocam os estudos em dia.
Mas a verdade é que a maioria cai na farra e não pensa em muita coisa, quer apenas entrar nos blocos e sair por aí pulando junto com a multidão. Para esses, algumas dicas práticas de quem tem larga experiência em sobreviver a essas datas:

  • Se o inimigo é muito maior que você fuja dele: deixe o carnaval de lado. Essa é para quem usou um ou dois neurônios e achou mais prudente deixar a folia para os outros.
  • Se a tentação é grande e não tem como ser evitada, enfrente os perigos em bando! Vá para festas e bagunças devidamente acompanhado por amigos experientes e que tenham prometido que iriam protegê-lo de você mesmo, especialmente quando você estiver com dúvidas se as pessoas tem duas ou mais cabeças por causa do volume de álcool no sangue.
  • Não se jogue no mar, nem sozinho nem junto com o seu carro. Para curar a ressaca, o banho de mar pode ser perigoso, especialmente às quatro horas da manhã. Não tente descobrir o porquê. Prefira o tradicional café preto muito forte e um chuveiro frio.
  • Essas grandes aglomerações acabam atraindo gente muito interessada em você, especialmente nos seus bolsos e pertences. Nunca ande sozinho com coisas de valor.
  • Se alguém sorrir para você não imagine imediatamente que essa pessoa está interessada em você. Verifique se ela não está devidamente acompanhada por algum brutamontes mal humorado. 
  • Por fim, o xadrez (não o jogo de xadrez) talvez não seja o pior lugar para ficar um ou dois dias de carnaval. Lá você vai ficar protegido daquela multidão ensandecida e ligada em 440 volts. Mas espere ficar sóbrio o suficiente para poder perguntar ao carcereiro algo inteligente, como, por exemplo, "como eu vim parar aqui?".

Ok, eu admito que essas regras não são muito boas e são muito gerais, mas é porque eu sempre segui a primeira. As outras eu aprendi conversando com alguns dos sobreviventes. E para quem não quer saber nada disso e está contando os minutos para cair na folia, tem até um relógio com contagem regressiva aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário